sábado, 23 de junho de 2012

RESUMO GERAL - "Antropologia Filosófica" – SEGUNDO BIMESTRE 2012

No Corpo dos Seres Humanos encontramos a ação das Leis Necessárias (não estão sujeitas a preceitos éticos, como a chuva,  por exemplo), que são idênticas às Leis que regem a Natureza. Por exemplo: o sistema circulatório não depende de nossa vontade para funcionar, mas sim de leis da biologia, que constitui uma lei da própria natureza.  Os seres humanos assim possuem um corpo que obedece às leis biológicas, mas também possuem um psiquismo e autoconsciência que fazem deles seres livres para decidir por seus próprios atos (estão sujeitos aos valores da ética).
Um dos conceitos estudados no tema “Natureza e Cultura” é a chamada ação por instinto, presente nos animais. A ação por instinto se caracteriza por depender das leis biológicas, ser invariável de indivíduo para indivíduo, não criar história e ignorar a finalidade da ação.
Quando falamos da ação inteligente estas ações possuem as seguintes características: Ela surge primeiro no pensamento e depois na ação; possui uma finalidade, varia de indivíduo para indivíduo, não estando condicionada pelo DNA e produz história e cultura.
Segundo uma de suas definições a Antropologia  Filosófica tem como objetivo estudar o ser humano integral ( dimensões biológicas, sociais, psíquicas e espirituais.)
O estudo do Amor é um dos temas centrais da Filosofia. Alguns dos seus principais conceitos foram elaborados por Platão e foram amplamente estudados por diversos teóricos como Freud e Marcuse. No estudo do amor reconhecemos três nomes principais de acordo com suas características, como Eros, Filia e Ágape.
Freud propôs uma estrutura, na sua Teoria da Personalidade, composta por três fatores: o ID (instintos), o EGO (a personalidade) e o SUPEREGO (repressão). Um Ego equilibrado surge, quando um Superego (representado pelos pais) consegue atender e conter o Instinto da criança, sem excesso autoritário e sem excesso liberal.
Freud também formulou o conceito de inconsciente. Nesta área do psiquismo ficam “ocultos” muitos dos episódios reprimidos e que se transformam em verdadeiros sofrimentos nas diversas fases da vida dos seres humanos. Este é um dos processos que constitui uma barreira para a felicidade
Um morador de rua, principalmente aqueles que moram em grandes cidades como Belo Horizonte ou São Paulo, passa tal forma de necessidades que é quase impossível para ele falar em Felicidade e Amor. Um teórico chamado Maslow realizou estudos sobre as necessidades e motivações dos seres humanos. Ele representou seus estudos em um modelo simplificado chamado de Pirâmide das Necessidades
A teoria de Maslow pode ser sintetizada no seguinte conceito: os seres humanos são motivados por necessidades não satisfeitas. Se por exemplo, uma pessoa sente sede (necessidade não satisfeita) ele é motivado a procurar água. Uma pessoa que tem fome é motivado a procurar comida. Em outro extremo, uma pessoa que já solucionou todas suas necessidades como ser humano é motivado a buscar um sentido maior para sua vida, que é a auto realização ou transcendência. A teoria de Maslow é representada por uma Pirâmide com cinco níveis: o primeiro é o das necessidades básicas, depois a segurança, o terceiro é a necessidade de associação, depois a necessidade de afeto e finalmente a necessidade de auto realização.
 O amor identificado como EROS significa Amor que exige reciprocidade; envolve sexualidade.
O amor identificado como Filia significa: Amor amizade - também amor entre familiares;
 O amor identificado como Ágape significa: Amor ao próximo, sem qualquer pedido de reciprocidade.
A busca da felicidade e a consciência da própria morte constituem temas fundamentais para a filosofia. Apenas os seres humanos possuem estas noções, que não estão presentes em nenhuma outra espécie animal.
De acordo com Marcuse a moderna sociedade industrial, baseada nas leis de mercado, dentro do modo de produção capitalista, procura desviar as verdadeiras motivações e saciedade dos seres humanos para o consumo. Desta forma se uma pessoa está triste ela é estimulada a ir ao um shopping e fazer compras para compensar sua necessidade de afeto, por exemplo. Os traficantes de drogas também fazem isto: iludem os usuários a diminuir suas dores emocionas e físicas com o uso de determinadas drogas. Em certo sentido também a indústria farmacêutica muitas vezes age desta forma, produzindo o chamado “alívio químico da dor” emocional. E muitas medicações produzem dependência física e emocional em quem as utiliza. Não viver a dor emocional é abdicar de nossa condição humana em que a vivência elaborada desta dor nos torna pessoas mais maduras, equilibradas e porque não, mais felizes.     
Resenha discutida e ampliada do Capítulo "Antropologia Filosófica" - livro Filosofando

Nenhum comentário:

Postar um comentário